Piada do dia: Pedindo emprego

O rapaz termina o segundo grau e não tem vontade de fazer uma faculdade. O pai, meio mão de ferro, dá um apertão:

— Ahh, não quer estudar? Bem, perfeito. Vadio dentro de casa eu não mantenho, então vai trabalhar…

O velho, que tem muitos amigos, fala com um deles, que fala com outro até que ele consegue uma audiência com um político que foi seu colega lá na época de muito tempo atrás:

— Rodriguez, meu velho amigo! Você se lembra do meu filho? Pois é, terminou o segundo grau e anda meio à toa, não quer estudar. Será que você não consegue nada pro rapaz não ficar em casa vagabundeando?

Aos 3 dias, Rodriguez liga:

— Zé, já tenho. Assessor na Comissão de Saúde no Congresso, 9.000 por mês, pra começar.

— Está louco! O rapaz recém terminou o colégio, não vai querer estudar mais, consegue algo mais abaixo.

Dois dias depois:

— Zé, secretário de um deputado, salário modesto, 5.000, tá bom assim?

— Nãooooo, Rodriguez, algo com um salário menor, eu quero que o rapaz tenha vontade de estudar depois… Consiga outra coisa.

— Olha Zé, a única coisa que eu posso conseguir é um carguinho de ajudante de arquivo, alguma coisa de informática, mas aí o salário é uma merreca, 2.800 por mês e nada mais.

— Rodriguez, isso não, por favor, alguma coisa entre 800 a 1.000 pra começar.

— Isso é impossível Zé!

— Mas, por quê?

— Porque esses são por concurso!

Mais uma para o museu

charge-cine-imperial
Caro Elton, essa é uma “charge” de 85, publicada na Folha do Mate (nem sei de onde tirei essa cópia). Como eu desenhava mal, olhando agora!!! Na época o Cine Imperial seria desativado, dando espaço para uma agropecuária. Eu tive a “feliz” idéia de colocar como detalhe um cartaz do filme Grimlins, estouro nas bilheterias (1 ano depois chegaria a Venâncio, na época um tempo curto para grandes sucessos) fazendo uma paródia com o nome da empresa que adquiriu o lugar. Muitas satisfações eu tive que dar na época, por conta da brincadeira com fundo crítico. Mas a Secretaria da Cultura, foi a única que não se manifestou, infelizmente. Lembro que até abaixo-assinado foi feito, mas como cinemas não davam mais lucro…
Me dá uma pena, passar hoje ali e ver o prédio daquele jeito. Aquele losango, entrada de ar no teto, tem muita história pra contar.
Vladi
Publicado no antigo blog em 30 de outubro de 2008