Do fundo do baú: Casa Santo Antônio

casa

Esta foto é do barzinho que perdurou por anos e anos em frente às Caixas D´Água. Todos conheciam como Bar da Lúcia, que nesta foto ainda era de seu irmão Tony (deve ser Antônio). Quem estudou no Oliveira, com certeza conheceu e frequentou.

Colaboração: Jeane Weschenfelder Scienza

9 comentários em “Do fundo do baú: Casa Santo Antônio”

  1. Eu conheço bem. De vez enquando eu tinha que ir lá buscar alguns alunos que fugiam do Oliveira para jogar snooker e até tomar uma cervejinha.

  2. Bah muita aula eu matei pra jogar um bilharzinho no bar da Lucia………tinha que se esconder do Prof.Alecio e do Vanderlei quando passavam na esquina…..que saudade!!!! Nao bebia nada…..

  3. Como eu morava ali pertinho, quando faltava qualquer coisa em casa era ali na ‘venda’ que a gente corria para comprar. Achava o máximo ver a fabricação de picolés, ou comprar sorvete seco para ganhar aquelas bixiguinhas ou anéizinhos que vinham junto, ou mesmo bolicas para jogar com a vizinhança nas ruas de terra. Bons tempos aqueles! Será que nossos filhos poderão se lembrar de coisas assim?

  4. É Felipe, eu jogava e ‘muito’ rsrsrs… pouco.
    Algumas vezes estive ali sim.
    Não há como esquecer esse tradicional barzinho, assim como o bar da Ondina, em frente ao Colégio. Abraço pra ti meu afilhado e também pra minha amiga Jussara. Ah, um beijo na orelha pro Jadir(hehehe).

  5. Cara, este é o grande problema da gente envelhecer, ficamos nostálgicos, quando revemos uma foto que faz parte de nossas vidas, com certesa nos emociona, e o pior, eles tinham um concorrente, literalmente defronte ao Oliveira, Bão tambem

  6. Pintura nova… Tinha que ‘bater’ uma foto.
    Que maravilha!!!
    Além do Bar e Armazém do Sr. João Werlang lá na 7 de Setebro, em frente ao Açougue do Zé Mahle, a Dona Lúcia era a outra ‘vendinha’ que tinha ‘trax’, ‘bombinha’ e ‘rojão’ para vender para a gurizada fazer uma folia, fazendo levantar latas de Nescau e Leite Moça…
    Ah, não dá prá esquecer das ‘bolicas’(bolinhas de gude) que também eram uma especialidade da venda (águida, leite, olho-de-gato, cachacinha, baletão, etc).
    Foi um dos últimos locais em que vi o ‘cardeal’ – Nego Zecão – que fiquei sabendo anos após que havia falecido.
    Falaí Serginho (Stereo 4), quantas vezes você comprou sorvete seco lá na Dona Lucia só prá pegar o anelzinho!!!
    Abraços,
    Mano Mylius

  7. bah.quantas vezes fui comprar bombinhas quando mais pequeno e depois de maior um pouco, saia da aula para tomar UMA CEVA,HEHEHE.

    Mas Vladi, quanto aquela do Beno Venti , quem pode ter uma foto é o LUPI que era professor de Judô junto com o Alécio.

    Ele trabalhou anos lá.

    abs

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.